Páginas

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

RIO DE JANEIRO - Fim de semana

Unindo o útil ao agradável...

Nós e o filhote com 1 ano e 7 meses
Eles com o baixinho de 10 meses em sua primeira viagem de avião

Fomos convidados para um casamento (lindo, lindo, lindo) em Niterói, RJ, e aproveitamos o ensejo para conhecer o básico-do-básico para turistas na Cidade Maravilhosa. Tivemos várias dicas das amigas-blogueiras Eliane, do 1001Roteirinhos e da Sut, do Viajando com pimpolhos, mas foi tudo muito corrido e só conseguimos mesmo fazer o basicão... Mas as dicas estão todas anotadas para uma próxima (e espero que seja breve) oportunidade.


MERCURE Apartments Niterói Orizzonte


Vistas da sacada: Pão de Açúcar, Corcovado e Cruzeiros... A menorzinha é da fachada do hotel.

A vista tanto da piscina, quanto da varanda dos quartos era um desbunde! Ficamos no melhor lugar para apreciar a beleza do Rio, fosse com o sol nascendo ou se pondo, de dia ou à noite. A comida também era ótima, mas o café (pelo preço da diária) deveria estar incluso.

Fora isso, foi bastante simplório pelo preço que cobra. Torneiras pingando, ducha higiência vazando, chuveiro que esfriava à toa e não era uma ducha bacana... fraquinho e sem regulagem. Faltavam no quarto abajures e espelho de corpo; a cama era pequena e o berço desmontável uma catástrofe! Sujo, com furos e pior: pequeno! Isso porque na reserva eu informei a idade do meu bebê. Ele é um ‘bebê-padrão’ em peso e estatura, mas praticamente não cabia no berço. TV de tubo posicionada sobre um rack baixo; conclusão: nem se via direito da cama, nem se podia deixar a criança por perto, porque era um risco de acidente constante. Enfim, uma decepção para uma família com criança pequena!

- Preços -
Tarifa balcão: R$ 506,00 / Tarifa booking.com: R$ 300,00 - pela diária
Café da manhã: R$ 22,00 por pessoa/diária
Água: R$ 3,50 (310 ml)

NITERÓI


Só estivemos na Igreja de São Francisco Xavier, por causa do casamento, e foi uma surpresa linda! A vista era incrível e o dia estava maravilhoso para se casar ao ar livre! O casamento foi no pátio em frente à igreja, literamente com vista para o mar!

De lá seguimos para a recepção no Bistrô do MAC – aquele projetado pelo Niemeyer e que parece um disco voador... Incrível!!!

CRISTO REDENTOR – CORCOVADO

A plataforma de embarque, o filhote e o vagão-restaurante
Subir de carro é possível, mas turista que é turista mesmo, sobre de trenzinho... rs... Sem contar que é uma diversão à parte para as crianças, desde as mais pequenininhas... Apesar da espera de 1h e 40 min para subir, fomos compensados pelo fato de haver comprado os tickets antes, pela internet, e com desconto de 50%. Veja aqui porquê.

A plataforma de embarque é uma atração à parte, com quiosques e lojinhas, um vagão-restaurante de um antigo trem e toda a história exposta em fotos e fatos nas paredes. Além disso, apesar do calor lá fora, na estação o clima estava bastante agradável.

Todos a bordo, a subida de trem é linda e o ar é extremamente refrescante em meio a tanta mata. E chegando lá: a vista!!! Do Cristo e da cidade... Você não sabe para onde olha! Nem como faz para parar de chorar... É emocionante!

Dica importante: chegue cedo! Quando descemos, o tempo de espera era de 3 horas para subir!

Para mães: dá para subir tranqüilo com o carrinho de bebê, é só fechá-lo no trenzinho; lá em cima tem elevador e escada rolante para subir o resto do trajeto. Fraldário só encontrei na estação, antes de subir.

- Preços -
Trenzinho: R$ 43,00 na bilheteria; Opção Van: R$ 43,00 (é mais rápido, mas não sei se é tão bonito); Estacionamento: tem um no fim da rua da estação – R$ 10,00 a primeira hora, R$ 5,00 a segunda e a terceira, R$ 5,00 a cada 30 minutos depois da 3ª hora... Tem sistema de parquímetro/Zona Azul na rua, mas às 10h da manhã, raramente vc vai achar vaga...


Que lugar!!! Nesse praticamente não tem fila e a subida é emocionante com o bondinho. Chegando na primeira parada já deparamos com a placa: ‘não alimente os animais’... ‘Hã?’... É isso mesmo... já nas primeiras passadas, encontramos um macaquinho saracoteando na volta dos turistas. Adivinhem se o filhote não ficou encantado e todo alvoroçado! Não quis nem comer o almoço direito!


Seguimos para o segundo bondinho, para aí sim chegar ao Pão! Lá, admirando e fotografando sem parar a Cidade Maravilhosa, sentamos para comer um lanche-almoço... Eu fui de Coxinha de frango com catupiry, pois estava com ‘bicha’ para comê-la novamente... Eu estive no Pão de Açúcar há 13 anos, mas só me lembrava mesmo com plena nitidez-gustativa da coxinha do Pão de Açúcar... rs... Pena que não era a mesma, mas estava bem gostosa mesmo assim.

Pois é,  e neste sobe e desce, 3 horas voaram e tínhamos que seguir para o aeroporto para voltar... snif... Foi rápido, mas valeu a pena!

- Preços -
Bondinho: R$ 53,00; Estacionamento: conseguimos parar na rua: R$ 4,00; Coxinha: R$ 6,00; Capirinha: R$ 16,00; 7 minutos de Helicóptero: R$ 180,00 - Aquela vista: não tem preço... ;)  

A parte ruim:
Reservamos um carro na Hertz há 3 meses... Pedimos uma Zafira ou uma Dobló porque precisávamos de 7 lugares, com locação de 2 cadeirinhas para bebês. Chegamos no Aeroporto Santos Dumont, sob um sol de 32 graus, transpirando até pelos poros do umbigo, e conseguiram nos deixar 1h esperando porque não tinham o veículo na configuração que queríamos! Depois de 1h, quando conseguiram, seguimos para buscá-lo, com uma montanha de malas, sem ajuda do tiozinho da van, e ainda esperamos mais 40 minutos no calor escaldante porque eles ainda iam lavar o carro...

Para mães: sempre que for alugar a cadeirinha da locadora de carros, leve um protetor ou improvise com um fraldão, pois o estado do tecido normalmente é deplorável, como foi o caso.


---

Esperamos logo poder voltar e conhecer algo além do que não deu tempo... ;)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

ALEMANHA - ainda nas férias

Seguindo viagem, voltamos para nossa base em Unterensingen, com nossos familiares queridos e, de lá, íamos e vínhamos na última semana de férias... Basicamente turismo de compras nos últimos dias...

NÜRTINGEN – VERKAUFSONNTAG 
Nürtingen
Domingão de sol e céu azul, apesar do friozinho característico do outono, foi dia de zarpar para o centrinho da cidade... Demos sorte e aquele domingo era um dos poucos em que as lojas do centro estavam todas abertas e muitas barracas de artesanato se espalhavam pelo calçadão da cidade.

A feirinha tinha algumas barracas de artigos bem parecidos com os nossos aqui, como as de bijoux e de pedras das mais diversas... Já o artesanato local, totalmente típico e uma verdadeira maravilha para os olhos... Brinquedos de madeira, enfeites para casa dos mais diversos, remetendo ao outuno ou ao Natal; diversas barraquinhas de luvas, cachecóis, boinas e toucas de lã e algumas sainhas também... Me diz como as alemãs conseguem usar saia no invernão de lá? Não sei... não sei mesmo... mas elas usam!

Também estavam lá as barraquinhas de guloseimas... Glühwein (o vinho quente menos doce) e os sanduíches de Salsichão no pão (Bratwurst e Currywurst) também estavam presentes!

Uma tarde deliciosa, em meio a uma semi-multidão... Voltamos com pouquíssimas sacolas e com muitas belas lembranças desta tarde encantadora.

Segundona é dia de quê? De compras oras bolas! ;)

E lá fomos nós para Metzingen, uma das cidades-outlet, onde estão as grandes marcas com suas lojas cheias de promoções interessantes. Principalmente para nós que temos a oportunidade de comprar bons produtos, por preços um pouco mais acessíveis, do que os que são cobrados no Brasil, sejam lá quais forem os motivos.

Neste dia o filhote ficou com a prima, nossa encantadora de bebês particular, que se prontificou a ficar com ele para que nosso dia de compras fosse, digamos, mais produtivo... E também porque nosso termômetro marcava 3 graus negativos, às 8h da manhã...

E foi neste dia que eu descobri que meu filhote aprendeu a usar o canudinho para tomar suco! A questão é que eu esqueci de avisar a prima que eu costumava abrir a caixinha de suco e colocar no copo de transição... Deixei só a caixinha... Ela não teve dúvida! Deu a caixinha com o belo canudinho espetado, e ele? Mandou ver, óbvio!!! Mais uma conquista para toda a família, afinal agora, não tem mais o risco de um fazer uma molhaceira no banco do carro toda vez que precisava abrir uma caixinha para tranferir o suco para o copo... ;) Valeu prima!!!

Ah, os carros! Stuttgart é a casa de duas grandes marcas: Porsche e Mercedes-Benz... Em nossa última viagem já tínhamos conhecido o museu da Mercedes, então esta foi a vez da Porsche.

Tudo de bom desde a chegada até a saída... Todas as facilidade com as quais as Mamas se preocupam estão todas disponíveis: estacionamento coberto, gratuito, cordialidade dos funcionários para esquentar papinhas e encher copos de suco (e inclusive lavá-los!), fraldário ótimo, guarda-volume para as tralhas em geral e vários lugares para sentar durante o trajeto dentro do museu.

Os carros são a grande atração, e cada um deles com sua história incrível... Mas particularmente foi o marido quem curtiu mais, com direito a audio-guia e 4 horas de visitação... Vou convencê-lo a fazer um post especial sobre o assunto... ;)

Processo de desenvolvimento de Design



Feliz da vida com sua massinha e seu suco de maçã!
Vamos lá... O IKEA é uma versão mega-ultra-super-enorme-e-incrível de uma TokStok com a Etna, só para se ter uma referência... rs...

O paraíso da família!!! TUDO neste lugar é pensado para que você faça do seu momento de compras um momento de lazer em família! A começar pelas vagas de estacionamento... Existe um bolsão especial para Vagas de Família... Elas são mais largas e tem uma família inteira desenhada na demarcação da vaga, incluindo o desenho do carrinho de bebê... Um mimo!

Entrando tem - já logo de cara - um brinquedão daqueles enormes, com monitores para os pais que preferirem deixar os filhotes brincando por ali. Podem ficar ali os filhotes entre 3 e 10 anos, eu acho... No caso dos menorzinhos, em todas as áreas tem sempre uma distração para os menores.

Depois de darmos uma olhada geral em todos os ambientes montados como amostra de salas, cozinhas, banheiros, quartos e home-offices, chegamos nos quartos de bebês e de crianças... Ai que demais!!! Tudo para decorar e organizar... E as pelúcias? Lindas, enormes e a preços incríveis. Pena não ter um container à disposição para voltar para casa... rs...

Vistos os ambientes, hora de almoçar... E o restaurante do IKEA é uma atração à parte para famílias... 1. Crianças menores de 1,20 m tem o MenuKids de graça! Naquela semana era uma massa (de bichinhos) com molho de tomate natural, 1 caixinha de suco de maçã e 1 barra de chocolate; sem contar que estão também à disposição das famílias: cadeirões, babadores descartáveis, pratinhos, copinhos, potinhos, talheres infantis, microondas e esquentador elétrico de mamadeira e papinha... Quer mais? Ainda tem uma estação de brinquedos no meio do restaurante... Tipo um coreto de praça do interior, com vários quebra-cabeças em suas paredes internas para a criançada brincar...

Meu cartão de
descontos! ADORO!
Para os adultos os preços dos pratos são extremamente acessíveis, a comida é muito gostosa, e o café é grátis para quem tem o cartão IKEA FAMILY, que ainda dá descontos em vários itens de prateleira da loja... Dá para pedir antes pelo site e eles entregam no seu endereço. Mas se não der tempo de entregar, pela internet eles já te dão o número e vc pode imprimir um cartãozinho provisório...

Uma passadinha no Fraldário (com fraldas à vontade) e seguimos para os itens de prateleira... Aí sim, tudo o que cabia na mala veio! Rsrsrsrs... Mas o que mais me encantou foram as miniaturas de coisas de adultos para crianças... Legumes, frutas, comidas e sobremesas confeccionados em tecido; conjuntos de chá e jantar em cerâmica; espátulas, conchas, colheres de arroz; tudo em tamanho miniatura... Para meninos, bancada de ferramentas, cinto de utilidades... Para todos, organizadores, gaveteiros, cestos para brinquedos desmontáveis... Maravilha!!!

Na saída ainda tinha uma feirinha com itens de decoração com temas de Natal... Até velinha eletrônica já tem!

E depois do caixa, um milkshake de chocolate, 1 caixa com 12 donuts cobertos de chocolate e um pacotinho de bombons suecos... Hummm... Diversão completa!!! ;)

* * *
Tudo preparado para jantinhas especiais em família.

Pura diversão!
A caminho do Parquinho...


Nos dias finais, aproveitamos para ficar bastante com a família, fizemos programas deliciosos, umas comprinhas finais (C&A e H&M tinham que estar presentes!), nos divertimos juntos no parquinho do bairro e sofremos para fechar as malas...

Foram férias incríveis e inesquecíveis!

sábado, 22 de outubro de 2011

ALEMANHA 2011 – 17 DIAS

Férias em família: 1 casal, 1 filhote de 18 meses, um avó... 1 carro alugado, visitando primos, revisitando lugares e conhecendo outros novos!

***

A semana das férias começou assim: filhote com estomatite na segunda, casamento do meu irmão mais novo na terça, viagem na quarta! Mas, contra todas as minhas previsões de mãe-desesperada-com-filho-dodói, a viagem de 12 horas de avião + 3 para pegar malas e fazer o trajeto de carro até o destino final foi extremamente tranqüila... Voo noturno, fralda trocada antes de embarcar, leite ao nos acomodarmos no avião e o bebezão já estava no 2º sono antes da decolagem! ;)

Chegando em Unterensingen, reencontramos os primos e nos deliciamos com o meu prato predileto: Maultaschen! Um tipo de ravióli gigante, recheado com carne de porco, espinafre e outras coisas deliciosas, numa sopa incrível... Hummm...



Numa passeada pelo centro descobrimos um lindo parque com lago cheio de patos que encantou o filhote… Impressionante como revisitar lugares numa nova condição nos faz ver tudo diferente… Nesta viagem o mais importante foi a emoção de cada reação do filhote em pequenas coisas... Como vê-lo encantado com os patos no lago ;) Ou quando ele bate palmas ao ver chegar uma caixinha de Yakissoba num dos restaurantes chineses da cidade (Hotalo). Ou com a incrível vista panorâmica da cidade vista do Kunstmuseum, o museu de arte da cidade.

RESIDENZSCHLOSS, em LUDWIGSBURG




Da última vez que estive nos jardins deste palácio, fiquei encantada com as flores... Desta vez, em pleno outono, foi a vez de visitar a Kürbisausstelung (EUR 12,-) – a exposição de abóboras nos jardins... De todos os tipos e tamanhos, o tema deste ano era DINOSSAUROS... Mais propício para encantar um rapazinho que adora DinoDan (DiscoveryKids) não tinha...

Entre uma caminhada e outra pelos jardins, paramos para uma refeição típica em família: Salsichão, batata frita, cerveja e refrigerante de maçã, na Cafeteria Am Rosengarten. E um pouco depois uma caneca de Glühwein, um tipo de vinho quente bem menos doce que a nossa bebida típica das festas juninas.

Neste mesmo lugar está o Jardim dos Contos de Fadas (Märchengarten), que completou 50 anos em 2009, e encanta de pequenos a velhinhos com suas casinhas de João e Maria ou Chapeuzinho Vermelho... Também tinha a torre da Rapunzel para você gritar e ela jogar suas tranças!




Chegando a Konstanz, o dia estava bem nublado e ‘fresco’ para não dizer bem frio... Chegamos e resolvemos ir direto almoçar no SeaLife... Prato principal: Salsichão, batata frita, pãozinho e refrigerante de maçã... rs... Filhote foi na papinha mesmo, mas bateu palmas quando a batata frita chegou ;)

Depois do almoço, com o tempo ainda feio e sem conseguirmos ver nada da paisagem linda do Bodensee, fizemos a visita ao aquário SeaLife (EUR 15,- / Estacionamento: EUR 4,-) e nos encantamos com cada reação do filhote... De cara já aprendeu a chamar o ‘pê’ (peixe) e a mostrar o carimbinho de peixe na mãozinha que cada um de nos recebeu um igual. Uma delícia de passeio para se fazer em família.

Tem peixes de todos os tipos, tubarões, arraias, pingüins, e um túnel que passamos embaixo dos peixes nadando sobre nossas cabeças ... enfim, diversão garantida!

Para nossa feliz surpresa, quando saímos do SeaLife o tempo estava um pouco mais aberto e, após fazermos check-in no Gästehaus Centro (EUR 113,- com café da manhã, para 3 adultos e com berço, via booking.com), fomos para a Imperatriz, um monumento lindo num píer no Bodensee. Vista incrível seguida de um passeio rápido pelo calçadão da cidade e parando para uma janta-café... 

Bem democrática a nossa viagem! No Restaurante Casablanca, Vovó com fome de salgado, comeu um Spaguetti Carbonara (EUR 7,50), enquanto eu e maridão queríamos um docinho e atacamos um Apfelstrüdel (EUR 3,90) cada um; eu pedi um chocolate quente para acompanhar (EUR 3,90), ele um upgrade da minha bebida com Rum (EUR 4,50) ;)

O filhote? Comeu a papinha dele, o macarrão da Vó, o Apfelstrudel da mãe e o sorvete do acompanhamento do pai! Draguinha!

Dali caminhamos de volta para o hotel (Estacionamento – EUR 12,50/pernoite) e relaxamos para o próximo dia. Café da manhã delicioso com diversas opções de pães, iogurtes, frios e geléias. Para os padrões brasileiros, faltaram mais opções de frutas e sucos, mas mesmo assim achei ótimo! Sem exageros, na medida e muito gostoso.

OS CAMINHOS TAMBÉM FAZEM PARTE DOS PASSEIOS


A grande diferença entre nossas viagens anteriores para essa foi que antes sempre estávamos a pé, de trem ou de ônibus; e desta vez alugamos um carro... Santa invenção o GPS que nos leva por lugares incríveis, sem a preocupação de estarmos perdidos... Deu uma erradinha na saída? Pois não, recalculando rota! ;)

E de carro, a mobilidade não tem tamanho e as paisagens são indescritíveis! De Konstanz a Schwangau (praticamente uma vila ao lado da cidade de Füssen) foram uns 100km, entre desvios na estrada (e como eles existem!). Konstanz fica no Bodensee, o imenso lago que divide Alemanha, Suíça e Áustria... E saindo de lá, resolvemos seguir para Schwangau (tão na Alemanha quanto Konstanz) pela Suiça! E fomos até Romanshorn, a 30km de Konstanz, e de lá atravessamos a fronteira de volta, num lindo passeio de balsa pelo Bodensee (EUR 22,-/ veículo com 3 adultos), por 12km e 30 minutos por água,  desembarcando em Friedrichshof, na Alemanha.

De lá, muitos desvios depois e pouquíssimos kilometros de Autobahn e muitos de estradas vicinais (lindas mas um pouco demoradas), chegamos em tempo da última visita guiada do dia para o Castelo de Neuschwanstein (Estacionamento – EUR 5,-).


Na bilheteria que fica ainda na cidade, corremos para conseguir os bilhetes (EUR 12,-/ cada) para a última visita guiada do dia, às 16:10, lá no castelo. Para chegar lá, da bilheteria, leva-se alguns minutos... O tempo depende da escolha do transporte: a pé, de ônibus ou de charrete. Por ser mais rápido, optamos pelo ônibus, que nos deixa ainda a alguns minutos a pé de distância do castelo.

Antes de irmos direto ao Castelo, paramos primeiro na Marienbrücke, a ponte sobre um vale com pequenas quedas d’água sob ela, que foi construída a mando do Rei Ludwig II, para que ele pudesse ter a vista mais privilegiada de seu Castelo. Dizem que ele contratou o projeto deste castelo a um pintor, pois ele queria que seu castelo parecesse um lindo quadro. E olhando da Marienbrücke, quem diz que não é uma pintura?


Este talvez seja um dos momentos mais emocionantes do passeio! Ver aquela obra prima, construída sabe-se lá como, encrustada na pedra, no pé dos Alpes! Uma maravilha de uma época em que tecnologia era uma palavra que acho que nem existia ainda...

De lá seguimos caminho para o Castelo em si... e aqui algumas infos que precisam ser dadas:
1. O último horário de visita acaba depois das 17h... Com isto, você não têm à disposição guarda-volumes – que fecha às 16h30, mas também não pode (e nem tem como) entrar com o carrinho de bebê no Castelo. Então é simples: o porteiro do recinto manda vc deixar ele do lado de fora, e vc deixa... fazer o quê?
2. O último ônibus e a última charrete partem do Castelo para a cidade às 17h... Isso mesmo, tivemos que descer a pé! Mas não se preocupem... já já conto isso...
3. Isso é independente do horário: no WC de entrada do Castelo não tem Fraldário! Daí nos lascamos e – Santa Vovó que estava junto – trocamos o filhote em pé, sobre a pia do Toillete. E dá-lhe criatividade de mãe para não deixar filhote molhado.

Visita linda ao Castelo, com guia explicando tudo “auf English bitte” e o filhote descobrindo que se ele desse um gritinho agudo na Sala de Concertos rolava um super eco que ele achou o máximo, e nós tentávamos controlar com a chupeta... rs...

Detalhe a ser observado: é terminantemente proibido fotografar o interior do Castelo. Quando nós o visitamos em 2005 essa regra foi seguida à risca por todo o grupo. Desta vez fiquei realmente abismada com o povo todo! 

Estrangeiros e turistas locais simplesmente ignoraram a informação e assim que a guia mudava de cômodo, disparavam suas câmeras digitais para todos os lados!!! Bom, a esta altura do campeonato e com vários alemães-certinhos fazendo seus registros, não deu para segurar a Vovó-fotógrafa-de-plantão ;)

No final da visita, uma passadinha na lojinha do Castelo e notamos que realmente ficamos por último! O senhorzinho vinha fechando e trancando as portas atrás de nós! E na saída: carrinho nos esperando, sozinho e abandonado, intocado ao lado de um banquinho; e seguimos a pé mesmo, já que não tinha mais ônibus, pelo lindo caminho de 20 minutos, acompanhamos um pouco mais à frente por uma família com seu cachorro... E nosso filhote atrás tagarelando: ‘au-au-au’.

GPS a postos, 3km de caminho entre as vilas e encontramos nossa pousada. A Casa Patrizia (EUR 85,-/pernoite) é na verdade uma Ferienwohnung – uma espécie de casa de temporada de férias, com a proprietária morando no andar térreo e dois apartamentos em cima. O nosso tinha capacidade para até 5 pessoas; 1 sala, 2 quartos, cozinha equipada e banheiro. E o plus:  vista para o Castelo!!! Não dá para querer mais! ;)


A proprietária, Sra. Helena, super atenciosa, nos indicou o caminho do mercado mais próximo e nós nos abastecemos para jantar e café da manhã. Aliás, essa eu aprendi com a Paty Papp... Supermercado local é uma maravilha! Compramos um monte de coisas gostosas, para duas refeições em família, pelo preço de um café da manhã!

Nota mental: foi para o mercado sem uma sacolinha? Eles têm sim no mercado, mas tem que pagar por elas!!! E nós – apesar de já temos o hábito de sempre ter uma sacola ecológica em nosso carro no Brasil – tivemos que pagar por uma sacola de plástico (que ainda vai durar para mais algumas comprinhas).



Terceiro dia de pé na estrada, amanhecemos em Schwangau, e seguimos por 70 km dentro da Áustria, até cruzar de novo a fronteira para a Alemanha em Garmisch-Partenkirchen. Lá tomamos um trem (EUR 48,-/ida e volta) com destino ao Zugspitzplatz, a 2600 metros de altura, nos Alpes! Lindo, lindo, lindo e branco! Do jeitinho que a Vovó é apaixonada... E esse foi o passeio surpresa para ela! Deste ponto, subimos mais um pouco de bondinho... Isso mesmo, aquelas casinhas de vidro penduradas num cabo, no meio de um monte de montanhas brancas de neve... E chegamos ao Zugspitze: o ponto mais alto da Alemanha, a 2962 metros de altura.


Lindo demais! Almoçamos por lá mesmo, vendo aquela imensidão de montanhas e precipícios. Indescritível a sensação. Lembrança para toda a vida!
Na descida, no trem, sentamos próximos a brasileiros extremamente simpáticos. Conversa vai, conversa vem, no trajeto de mais de uma hora, indicamos para eles a Casa Patrizia, pois eles estavam indo naquela noite para Füssen ou Schwangau ainda sem lugar para dormir. Foi nesse bate-papo que tive uma grande felicidade... Descobri que eles tinham visitado este blog enquanto pesquisavam sobre destinos para suas férias! ;) Não é incrível? Ô mundinho pequeno esse... rs... Tomara que a Frau Helena tenha os recebido em sua Ferienwohnung...

Chegamos à estação de trem com chuva, fizemos uma troca rápida de fraldas no banco do carro, porque na estação não tinha fraldário, e seguimos 90 km, em horário de pico para Munique.

MUNIQUE – 2 dias

Uma hora e meia depois de sair de Garmisch, chegamos a Munique, ainda com uma chuvinha leve, mas com muito frio. Em Munique alugamos um apartamento de 1 dormitório-sala, cozinha e banheiro, próximo ao Centro.
Aqui o entrave da cidade grande... Não tinha lugar para parar o carro! Decisão sábia: quando encontramos um lugar para estacionar, ali deixamos o carro e só nos locomovemos de metrô pela cidade. O carro só saiu de lá 3 dias depois, quando voltamos a Unterensingen, para a casa dos primos.

O apê uma gracinha (EUR 90,-/pernoite) e super bem localizado! Tudo muito bem cuidado e de extremo bom gosto. Encontramos pelo site Bedandbreakfast.de, e apesar do receio, fechamos ainda em São Paulo e pagamos 50% adiantado pelo PayPal.

- Dia 1 -
No primeiro dia, seguimos pela manhã para a Marienplatz e chegamos lá quando a música do  carrilhão da Neues Rathaus (Prefeitura Nova) já tomava conta de toda a praça. O Glockenspiel, como é chamado em alemão, toca diariamente às 11h e às 12h, e pára todos os pedestres no local para um momento de atenção total à música e ao movimento dos bonequinhos.
Por ali andamos... Prefeitura e seu pátio interno, subimos os 14 andares de escada da torre da Igreja de São Pedro para um linda vista panorâmica (EUR 1,50 – só eu e maridão... filhote e vovó ficaram quentinhos numa livraria ao lado da Igreja), e toda a região a pé.




Almoçamos no Hofbräuhaus, a tradicional salsicha com chucrute e salada de batata e um canecão de cerveja para cada um.

Infelizmente foi neste lugar que tive meu entrave em língua local... Filhote precisava de uma troca de fraldas e eu não localizei nenhum fraldário. Perguntei e fui informada por um funcionário que não havia... Como já tinha percebido a falta de fraldários em outros locais, achei bem normal, e aflorei novamente a criatividade... Arrumei um espaço na pia do Toilette e comecei a troca de fraldas... Xixizinho básico, sem odores piores... Quando fui abordada (leia-se ‘gritada’) pela faxineira do local – que já tinha me visto antes e esperou para se manifestar do jeitinho alemão-delicado-de-ser: “Tem um fraldário no andar de cima”, ela disse... Bom, nesta altura, já colocando a fralda limpa, eu respondi: “Infelizmente o garçom me informou que não tinha fraldário...” – esperando uma certa compreensão; a resposta: “tem sim”... O que eu ia fazer. Terminei a troca, com ainda uma indignação de uma outra senhora que lavava as mãos... Indignada por eu estar ali e por terem me dado a info errada... e eu lancei no meu alemão-não-passo-fome: “Ser mãe exige uma certa criatividade! ;)”... Fazer o quê? Fiquei um pouco chateada, mas depois passou... O importante era que o filhote estava sequinho e pronto para mais algumas horas de passeio! ;)

De lá seguimos para o Viktualienmarkt, um tipo de feira livre diária, que além de bancas de frutas e verduras, tem diversas opções de pães, vinhos, mel, artesanato em madeira e diversas mesinhas ao ar livre, no estilo Biergarten (jardim da cerveja), para uma cerveja com salsichão e bretzel ou um cafezinho... Como não podia deixar de ser, brasileirinhas que adoram uma fruta, eu e vovó compramos morangos carnudos e docinhos, umas mexericas, que aqui se chamam Clementinen e um pacotinho de figo seco...

Felizes com as comprinhas, caminhamos um pouco mais e passamos pela frente do ResidenzMuseum e queríamos chegar ao Englisher Garten, mas a chuva nos impediu e corremos para a estação de metrô mais próxima e levamos o filhote para nossa ‘casa’...

Pequeno e vovó acomodados, saímos em busca de um mercado, e descobrimos depois de uma longa caminhada e vários pedidos de informação, um mercado dentro de uma estação de metrô. Ótimo, quentinho e uma excelente e prática idéia que poderia ser aplicada em nossas cidades grandes. Outro jantar, café da manhã e chocolates garantidos por menos de EUR 20,- para toda a família! ;)

- Dia 2 -
Novamente de Metrô pela cidade, cabe dizer que a grande maioria das cidades grandes da Alemanha tem algo de interessante para oferecer em preços ou tarifas para grupos de 2 a 5 pessoas, sendo elas parte da mesma família ou não... Assim, escolhemos a opção Partner-Tageskarte (válido pelo dia todo), por EUR 9,80, que saía mais barato e era bem mais prático para o ir-e-vir.
Seguimos então para a estação Olympiazentrum, com destino para o BMW-Welt (Mundo BMW). Lá uma construção de arquitetura moderníssima abriga todos os novos modelos, num estilo de Concessionária Super-Top para entrega de seus veículos, e ainda mostra detalhadamente e de forma bastante didática todas as tecnologias embarcadas em seus modelos. Simuladores de todos os tipos estão lá para serem manuseados.




Também no centro de informações do BMW-Welt, conseguimos um encaixe na Visita Guiada pela linha de produção da BMW-Werk (EUR 8,-)! Incrível! Claro que nossos tickets só foram validados após muitas e detalhadas observações do cavalheiro que me explicava sobre o barulho e a duração de 2 horas do trajeto, referindo-se à condição de levarmos o filhote junto... No final das contas, ele agüentou firme até os últimos 10 minutos quando adormeceu. Se encantou com os ‘cagos’ e se divertiu ao usar os mini óculos de segurança que eles têm disponível para crianças bem pequenas.

Pena não ser permitido fotografar, nem levar o carrinho de bebê durante o tour... Conhecemos a nova linha de estamparia de peças, que vai reduzir de 30 para 3 minutos o tempo de troca entre os blocos de estampagem; além de toda a linha de pintura e acabamentos dos bancos, coisa que não nos permitem ver por aqui na maioria das empresas automobilísticas. Também soubemos que lá os trabalhadores tem carga horária de 35 horas semanais, trabalham 9 horas por dia, de segunda a quinta... Isso mesmo, sexta é dia de folga!!! Fala sério! Também quero! ;)

Finalizado o Tour, aproveitamos a cafeteria para esquentar a papinha do filhote e ainda fizemos a troca de fralda no fraldário deles... Todo equipado e bem mais tranqüilo que a na experiência anterior do Hofbräuhaus... ;)
Dali seguimos para o Olympiapark... é bem do lado, e se vai a pé. O caminho é lindo e ainda paramos para uma tradicional Bratwurst com pão e Coca-cola, sentados no banco do parque, na beira do lago e aos pés da Olympiaturm, a torre de TV de Munique, com 181 andares de altura.

Depois do lanche-almoço, subimos a torre por EUR 3,50/cada... Uma pechincha... rs... É que o preço normal é EUR 4,50, mas na noite anterior eu tinha lido no site do Olympiapark que se vc apresentasse o bilhete da BMW, eles te concediam um desconto! ;)

Lá de cima apreciamos a linda vista de toda a cidade, que estava com céu azul de brigadeiro, apesar do frio que devia estar na casa de uns 4 graus.
Aliás, essa coisa de frio em regiões mais secas, faz com que não a sensação térmica não seja tão terrível e congelante como acontece na região úmida em que moramos em São Paulo... Aqui, com 10 graus já estamos batendo os dentes... Lá, estando bem agasalhado, não se sente tanto até uns 3 ou 4 graus... Menos que isso, já não sei dizer ;)

***

Bom, desses primeiros dias foi isso... Ainda estamos em férias, então, aos poucos vamos colocando mais infos por aqui!

Viel Spass!
Bom divertimento!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

"Telefônica Sonidos - Misture-se no Ibirapuera"

Recebi de uma amiga!
Divulgando...
Sábado 17/09, grátis, Parque do Ibirapuera




Depois do sucesso de público nos quatro shows realizados no primeiro semestre, a área de patrocínios da Telefônica apresenta, a partir deste sábado (17/09), as 17h, o “Telefônica Sonidos - Misture-se no Ibirapuera”. Serão quatro apresentações até o final do ano, sendo uma por mês. A entrada é gratuita. Participe e traga a sua família!

A apresentação deste sábado é da Filarmônica Bachiana Sesi São Paulo, sob a regência do maestro João Carlos Martins que convidado Hamilton de Holanda, para uma mistura surpreendente.

O encontro desses dois mestres vai traduzir, harmoniosamente, o que João Carlos Martins sabe fazer de melhor: tornar clássico o popular e acessível o erudito, com destaque para o tema de “Cinema Paradiso”.

TelefônicaSonidos tem como objetivo criar shows e oferecer a população acesso a diferentes estilos, misturando gêneros da cultura musical em um único palco.

Sobre o show
João Carlos Martins: pianista considerado pela imprensa internacional como um dos maiores intérpretes de Bach. À frente da Orquestra Bachiana Filarmônica SESI SP e da Orquestra Bachiana Jovem Sesi SP, o maestro tem trabalhado a favor da democratização da cultura no país, levando música erudita para as mais diversas plateias em todo o Brasil. Neste ano foi homenageado pela Escola de Samba Vai-Vai com o tema A Música Venceu, agremiação vencedora do carnaval paulistano.

Filarmônica Bachiana: músicos selecionados entre as melhores orquestras brasileiras. São profissionais que fazem questão de aprimorar seu talento com trabalho e estudo. Assim, a orquestra, fundada em 2004, não tardou a ganhar o merecido reconhecimento. Após quatro temporadas em que se apresentou pelo Brasil, encantou o público americano com três atuações de gala sendo duas no Carnegie Hall, em Nova Iorque, em 2007 e 2008, e uma no Lincoln Center, em 2009, tendo como solista o legendário Dave Brubeck.


Hamilton de Holanda: transgressor do bandolim e criador de uma técnica revolucionária, a imprensa nos EUA logo o chamou de “Jimmy Hendrix do bandolim”. A imprensa francesa, de "Príncipe do bandolim". Hamilton une tradição e modernidade passando com tranquilidade pelas mais diferentes formações (solo, duo, quinteto, orquestra), consolidando, assim, uma maneira de expor ideias musicais e impressões sobre a vida com “o coração na ponta dos dedos.”


Serviço
Local: Parque do Ibirapuera – no estacionamento ao lado do museu Afro Brasileiro
Endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral, sem número – São Paulo
Data: 17 de setembro de 2011 (sábado)
Horário: 17h
Preço: Gratuito

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Falta pouco, mas falta tanto...

Fonte: Google Images

Faltam pouco menos de 2 meses para as férias, mas para mim, a viagem já começou!


Há 15 anos entre os cargos de Secretária e Analista Administrativo Financeiro, já organizei muitas viagens... Executivos ou não; viajantes ou ex-patriados; a serviço ou particulares; familiares ou pessoais; já perdi as contas.

E dizem que, o que se faz com gosto, se faz melhor... Vai ver foi por isso que um Guia de Viagens foi o resultado do meu trabalho de conclusão de curso – 10 com louvor – na época da faculdade, 10 anos atrás...

Época em que internet era luxo e poucos tinham acesso; época em que celulares não acessavam a internet e que os computadores do laboratório da universidade eram ultra disputados nos intervalos entre as aulas. Época em que conseguir informações sobre o destino ou dicas de outros viajantes era quase uma utopia e ficávamos restritos às informações das agências de viagens.

Com a popularização da internet e a melhoria dos serviços dos site – Santo (Dr.) Google e seus mapas, roteiros, satélites e imagens, as agências de viagem tiveram que diversificar e melhorar consideravelmente sua prestação de serviços e – com isso, nós consumidores (pessoas físicas ou jurídicas) – só ganhamos com tudo isso!

E com a dupla “internet-cartão de crédito”, tornou-se possível que nossas viagens comecem em nossas vidas, muito reais e não virtuais, muito tempo antes de pisarmos no aeroporto ou de enchermos o porta-malas; e com bom planejamento, elas acabam nas fotos, sem dívidas pós-chegada, e se eternizam em nossas memórias; afinal, as descobertas de novos lugares e culturas passam a ser nosso patrimônio e ninguém os pode tirar de nós.

Aqui, por hora, posso dizer que passagens e seguros-viagem foram comprados em fevereiro e já estão 100% pagos; locação de veículo e hotéis reservados e parcialmente pagos; plano de viagem diversas vezes revisto e já ganhou incrementos interessantes dos ‘nativos’ (amigas blogueiras, especialmente Angela, muito obrigada!) e observações relevantes de mães bem acostumadas a viagens transatlânticas com 3 pimpolhos e acompanhados muitas vezes só da mãe (Valeu Fabíola! ;) ).

Passaportes renovados e já iniciada a lista básica do “Não esquecer”, que já inclui dicas do livro “Crianças a Bordo – Como viajar com seus filhos sem enlouquecer”, da Paty Papp, e a compra de pelo menos uma mala nova, pois a atual está tão destruída que acho que não vai aguentar... Nota mental: a mala nova tem que ser preferencialmente colorida, para ser mais fácil de identificar na esteira... ;)

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

CIRCO DOS SONHOS – TURMA DA MÔNICA

2 casais, 3 filhotes...

O que bebês fazem no circo? O de 1 ano e 3 meses se concentrou e se encantou, tanto quanto a de 4 anos; já a de 4 meses dormiu gostoso :)

O espetáculo é uma graça e a produção bem interessante, mas, sinceramente, não valem os R$ 60,00/cabeça que são cobrados pela posição frontal ao palco; Além disso, também achei o valor bem salgado para não oferecer uma quantidade mais adequada de toilettes, uma vez que o público-alvo são as crianças... Banheiros químicos, sem papel, sem luz e sem água seguramente não são ideiais para nós, muito menos para crianças, pelo custo de R$ 120,00/casal + R$ 15,00 de estacionamento.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

EMBU DAS ARTES

Domingo de céu azul inesperado, por volta de 13:40 chegamos a Embu das Artes... já na saída da rodovia o trânsito parou e a pequena avenida de mão dupla estava cheia de gente seguindo em sentido à famosa Feira de Artesanato de Embu das Artes. Chegando mais próximo conseguimos um estacionamento ao lado da feira, por R$ 15,00 o período todo. Caro, mas não é possível deixar na rua... Havia guardas de trânsito multando por todos os lados.



Nos acomodamos no Buteco da Fazenda e pedimos uma porção de picanha na chapa (R$ 39,90), uma de carne seca com mandioca frita (R$ 34,90) e outra de batata frita (R$ 13,90). Precisamos aguardar uns 20 minutos por uma mesa para 8 pessoas; o que nos leva a uma dica essencial: no quesito serviços, normalmente, local cheio é sinônimo de serviço lento... Pena eu não ter tido esse ‘insight’ na hora... Estava preocupada em ter um microondas disponível para esquentar a papinha do filhote e acabei não me atentando a esta questão.
Resultado: mais de 1 hora para sermos atendidos e servidos, e sempre que o garçom vinha, ainda faltava algum item; depois de saciados, ainda precisamos esperar quase 20 minutos para que a moça chegasse com a famosa ‘maquininha’ do cartão e ainda tivemos que fazer as contas para ela de quanto foi o gasto por pessoa...

Deveras chateada por ter visto nossos visitantes esperando tanto pelo almoço, seguimos para as ruas de Embu, fazer uma pequena corrida, pois já eram 16:00 quando conseguimos sair do restaurante e o estacionamento fechava às 18:00... Peninha! Deu pra ver bastante coisa, mas tudo muito superficialmente... Gostoso mesmo é quando a gente pode entrar nas lojas e observar com cuidado todo o trabalho artesanal desses artistas, mas, vai ficar pra próxima. 

SANTOS – Centro Histórico

Família completa, dois carros, 3 guarda-chuvas num dia nublado e com vários momentos de alternância entre chuva e garoa.

Sabadão, às 11:00, já estávamos todos reunidos em São Bernardo e nos direcionando para Santos pela ‘nova’ Rodovia dos Imigrantes... A Via Anchieta seria o caminho mais curto, mas como o dia estava bem feinho e não conseguiríamos ver nada das lindas paisagens desta rodovia por causa da neblina densa, resolvemos optar por uma voltinha maior pela Imigrantes, mas que permitiu aos nossos visitantes apreciarem mais uma maravilha da engenharia: túneis de mais de 3 km que praticamente se emendam um no outro e em 15 km já estávamos na Baixada Santista.

Um pouco perdidos, apesar do GPS, encontramos a Praça da Matriz, de onde parte o Bonde Turístico, uma passeio de 45 minutos de duração em média, com guia turístico explicando sobre a história da cidade, uma das mais antigas do Brasil, com o porto de Santos, responsável atualmente por 27% da balança comercial brasileira, uma vez que grande parte das exportações acontece através dele.


Para mim, o porto de Santos tem um significado todo especial, pois foi nele que nos idos do século XIX, minha avó desembarcou, ainda menina, vinda do porto de Hamburgo, na Alemanha.

Estacionamos a umas 3 quadras da Praça, pois todas as vagas disponíveis na rua estavam ocupadas, uma vez que o comércio estava todo no maior fervor, apesar do tempo feio.

O passeio foi muito bonito e instrutivo. Deu pra fazer tranquilamente, mesmo com a garoinha chata que estava caindo, pois o vagão da frente era totalmente fechado e lá nos acomodamos com o filhote.

Descobrimos que a Catedral de Santos foi projetada pelo mesmo arquiteto da Cathedral da Sé, e notamos claramente as semelhanças em sua fachada, sobre a exaltação à terra-brasilis... Muito café esculpido e outras marcas de flora e fauna brasileiras.

Terminado o passeio de Bonde, fizemos algumas fotos na Praça da Matriz, e seguimos de carro para o Museu do Café. Há 2 quadras apenas dali da praça, mas com mais opções de estacionamento na rua.


A cafeteria do Museu é uma graça e oferece diversos tipos de bebidas com o café... Delícia pura, foi ali que pedimos que esquentassem a papinha do filhote para o almoço. Pena não haver ali fraldário disponível nos Toilletes.

A construção do Museu é linda, mas não tínhamos tempo hábil para ver o acervo do museu em si, por isso, só nos sentamos um pouco na Cafeteria para relaxar com um cafézinho, e seguimos viagem.

Fomos para a orla da praia, onde está um dos maiores jardins a céu aberto do país (se não for o maior...) e nos sentamos em um quiosque no Canal 2 para tomar um lanche... Pedimos hotdogs que vieram abertos com uma montanha de salsicha, alface, vinagrete, milho e maionese por cima. Demorou um pouco, mas estava bem gostoso. Pena haver tantos pombos pela região... Chegou a ficar desagradável ao final de nossa refeição. Mas fomos recompensados com brigadeiros de brinde pela atenciosa dona do quiosque.

De Santos, seguimos para a Praia Grande, para visitar uma amiga muito querida da família. Lá nos deliciamos com a vista da praia e do forte; e também com as delícias caseiras que ela nos preparou para o café da tarde.

Preços:
Estacionamento em Santos: R$ 8,00 – a maioria fica aberto até às 13:00 ou 14:00...
Passeio de Bonde: R$ 5,00 inteira – R$ 2,50 meia (idosos, professores e estudantes)
Museu do Café: R$ 5,00 inteira – R$ 2,50 meia (idosos, professores e estudantes) 

quarta-feira, 27 de julho de 2011

SEMANA NA MEGALÓPOLE

O que não conseguimos acompanhar durante a semana... Eles adoraram!

Segunda: Parque do Ibirapuera - pena não haver programação para o Planetário neste dia; às segundas o MAM também não abre
Terça: R. José Paulino – Bom Retiro e Bairro da Liberdade - muitas compras
Quarta: R. 25 de março e Mercadão - e mais compras
Quinta: O INESPERADO: Autódromo de Interlagos – Neste dia, as meninas descansaram as pernocas e os meninos resolveram arriscar uma ida ao Autódromo; e deram sorte! Estava acontecendo um treino de motos, e eles puderam acompanhar tudo de graça!
Sexta: Aquário de São Paulo - adoraram também! Voltaram encantados! (R$ 30,00)

E encerramos a sexta juntos, aqui em casa, com uma pizza de massa crocante, sem fermento! E vendo as fotos da semana... ;)

segunda-feira, 18 de julho de 2011

SÃO PAULO – Centro Histórico

E às 6:00 estávamos em pé! Sonolentos, mas empolgadíssimos, seguimos para buscar os primos e deixarmos o carro no Metrô Jabaquara. Primeira vez de Metrô para eles e para o filhote. Levamos o carrinho de bebê e foi super tranquilo. Sempre tinha um funcionário do Metrô atento para abrir os acessos laterais às catracas para a passagem do carrinho.

E lá fomos nós, felizes e contentes para a estação da Sé, para participar do roteiro da Sé, oferecido pelo Turismetro, no horário das 9:00... Para nossa triste surpresa, eles alteraram a programação (até sábado a noite a página na internet não tinha sido atualizada... hoje já está) e não haveria o passeio naquele horário para a Sé... Para ‘tapar o buraco’, nos ofereceram um mapa turístico da cidade e nós resolvemos conhecer o centro por nossa conta.

Catedral da Sé e arredores


No fim deu tudo certo! Começamos pela Catedral da Sé, linda e toda restaurada! Milhões de fotos com a atriz principal e nós de coadjuvantes diante daquele imensidão, sob um céu de brigadeiro! Azul lindo, sem nenhuma nuvem! Pena ainda termos tantos mendigos pelas ruas.

Dali – uma paradinha na banca de jornal para comprar pilhas para a máquina fotográfica – e seguir para o Pateo do Colégio. O mapa turístico que nos ofereceram era meio complicado de seguir, então sacamos o GPS da mochila, colocamos o destino e pedimos a rota para pedestre... Tudo isso para andar 2 quadras! Era do ladinho! ;)

Pateo do Colégio

O Páteo é lindo e seu jardim interno super aconchegante. Além de toda a história, com sua parede de taipa preservada, está ali o Café do Pateo... Uma delícia os cafés e pães de queijo! E se vc está na cafeteria, pode utilizar o toalete sem custo nenhum... Porém se vc está passeando pelo Centro e precisa de um banheiro, este é limpo e organizado, por R$ 2,00. Sem fraldário.

Seguimos então pelo calçadão até o Centro Cultural Banco do Brasil, imaginando que conseguiríamos ver a exposição ‘O Mundo Mágico de Escher’... Nem pensar! A fila dava a volta – literalmente – no quarteirão! E o quarteirão no centro é gigante!!!

Centro Cultural Banco do Brasil e Prédio do Banespa

Mesmo assim, conseguimos entrar no Centro Cultural e fazer uma fotinho na instalação “Sala da Relatividade”, onde nos sentimos anões e gigantes só mudando de lado dentro da mini-sala. Até 17 de julho – grátis.

E seguindo pelo mesmo calçadão, passamos pelo Edifício Martinelli, Bovespa, BM&F e chegamos à Igreja e Mosteiro São Bento. E nos assustamos com a quantidade de pessoas que saíam da Igreja ao final da missa e se amontoavam em fila para fazer compras na padaria do mosteiro... OK que é para ajudar os monges e tal, mas enfrentar uma mega fila, para pagar R$ 60,00 num bolinho com 15cm de diâmetro... Sorry, não é pra mim...


Mosteiro e Igreja São Bento & Vista do Viaduto do Chá

Entramos, escutamos um pouquinho de Canto Gregoriano e nos encantamos com a beleza dos vitrais... Depois saímos e seguimos para o Viaduto do Chá; De lá apreciamos o Banespinha, prédio que tem um jardim lindo na cobertura; o Shopping Light e uma pintura dos Gêmeos numa lateral de um dos prédios.

Fotos, fotos, fotos e seguimos para a Estação São Bento do Metrô para poder seguir para casa. Ainda no caminho de volta, filhote encantou e bagunçou com todos os que entravam e saíam do metrô.


Ponte Estaiada
Ao pegar o carro, demos uma voltinha maior para chegar em casa, e passamos pela Ponte Estaiada, novo cartão postal de São Paulo.

***

Ainda sobre o Metrô:
1. a passagem custa R$ 2,90
2. existe um programa muito interessante para empréstimo de bicicletas no Metrô